Coluna Dr. Marcelo Chain – Dicas para saúde bucal do Bebê

Dicas valiosas para o seu bebê ter um sorriso saudável.

baby_smile

  • Limpe a boca do bebê com uma fralda umedecida para remover restos alimentares.
  • Por volta dos seis meses, com o “nascimento” do primeiro dente:
    • Troque a fralda umedecida por uma dedeira.
    • Leve seu filho ao Odontopediatra.
    • Introduza a alimentação semi-sólida.
  • Ao introduzir a alimentação sólida
    • Mantenha a criança sentada.
    • Apresente os alimentos gradativamente.
    • Amasse as frutas e os legumes com o garfo.
    • Nunca bata a sopa no liquidificador, pois a criança precisa aprender a mastigar.
    • Não acrescente mel ou açúcar nas papas de frutas.
    • Não sopre a comida do bebê nem experimente com o talher dele, pois você poderá transmitir bactérias.

03bebe

  • Com o “nascimento” dos primeiros molares (um ano e meio de idade) substitua a dedeira por uma escova dental infantil, que deve ser utilizada sem o creme dental até os dois anos.
  • Os dentes e as línguas devem ser escovados após as refeições.
  • Após os dois anos:
    • O creme dental já poderá ser aplicado na escova, em uma porção menor que um “grão de lentilha”, pelo responsável.
    • Nessa fase o fio dental já poderá ser utilizado.
    • Até no sétimo ano os pais devem assumir a higiene bucal. Após essa idade, os pais devem continuar supervisionando a higiene.

Marcelo Chain, Cd, MS, PhD
Av. Othon Gama Deca, 900 sala 503
Florianópolis – SC
Fone: (48) 3223-0046

Coluna Dr. Marcelo Chain – Mau hálito

Segue mais uma coluna sobre saúde bucal com o Dr. Marcelo Chain, meu dentista, de Florianópolis.
Um assunto muito comum e que não poupa ninguém, nem mesmo os que mantêm a higiene 100%: o mau hálito.
Extremamente inconveniente, algumas vezes precisa ser tratado. Saiba mais:

especialidades-mau-halito

 

Todas as pessoas têm mau hálito?
Se considerássemos o hálito desagradável ao acordar, praticamente 100% da população seria portadora de halitose. Por isso, o hálito pela manhã é considerado fisiológico. Ele acontece devido à leve hipoglicemia, à redução do fluxo salivar para virtualmente zero durante o sono e ao aumento da flora bacteriana anaeróbia proteolítica. Quando esses microrganismos atuam sobre restos epiteliais descamados da mucosa bucal e sobre proteínas da própria saliva, geram componentes de cheiro desagradável (metilmercaptana, dimetilsulfeto e principalmente sulfidreto, que têm cheiro de ovo podre). São os compostos sulfurados voláteis, conhecidos abreviadamente por CSV. Após a higiene dos dentes (com fio dental e escova), da língua (com limpador lingual) e após a primeira refeição (café da manhã), a halitose matinal deve desaparecer. Caso isso não aconteça, podemos considerar que o indivíduo tem mau hálito e que este precisa ser investigado e tratado.

É possível que eu tenha mau hálito e não saiba disso?
Sim. As pessoas que têm mau hálito constante, por fadiga olfatória, não percebem seu próprio hálito. Somente as pessoas que têm períodos de halitose e períodos de normalidade conseguem percebê-lo.

Como eu posso saber se tenho ou não mau hálito?
A maneira mais simples de identificá-lo é pedir a um familiar ou a um amigo de confiança que faça essa avaliação para você. Caso você identifique o problema ou caso você se sinta constrangido em pedir a alguém que o avalie, pode procurar um dentista para que este possa ajudá-lo no diagnóstico e no tratamento da halitose. Atualmente, e cada vez mais, existem dentistas interessados no assunto, e muitos deles até já dispõem de um aparelho para medir seu potencial de halitose.

Então, dá para se medir o hálito?
Sim, atualmente existe à disposição dos profissionais interessados um aparelho chamado Halimeter, que é capaz de medir compostos sulfurados voláteis e que serve para orientar quanto à gravidade da halitose e quanto à melhora e à cura durante o tratamento. Também é útil para demonstrar claramente para certos pacientes que eles não possuem nenhum cheiro desagradável na boca, quando este é o caso. Certos pacientes halitofóbicos ficam muito apreensivos, com medo de terem halitose e desconhecerem o fato.

Então, dá para se medir o hálito?
Sim, atualmente existe à disposição dos profissionais interessados um aparelho chamado Halimeter, que é capaz de medir compostos sulfurados voláteis e que serve para orientar quanto à gravidade da halitose e quanto à melhora e à cura durante o tratamento. Também é útil para demonstrar claramente para certos pacientes que eles não possuem nenhum cheiro desagradável na boca, quando este é o caso. Certos pacientes halitofóbicos ficam muito apreensivos, com medo de terem halitose e desconhecerem o fato.

Beautiful woman with red tape on mouth portrait

Qual a causa do mau hálito?
É muito bom que se diga que os casos de halitose não podem ser explicados por um único mecanismo. Existem casos de halitose tanto por razões fisiológicas (que requerem apenas orientação) como por razões patológicas (que requerem tratamento); por razões locais (feridas cirúrgicas, cárie, doença periodental etc.) ou sistêmicas (diabetes, uremia, prisão de ventre etc.). Por isso, pode-se concluir que todas as possíveis causas devem ser investigadas e que o tratamento será direcionado de acordo com a causa identificada. No entanto, 96% ou mais dos casos de halitose se devem à presença de saburra lingual e, assim, devem ser tratados.

O que é saburra?
Saburra é um material viscoso e esbranquiçado ou amarelado, que adere ao dorso da língua em maior proporção na região do terço posterior. A saburra equivale a uma placa bacteriana lingual, em que os principais microrganismos presentes são do tipo anaeróbios proteolíticos, os quais, conforme foi explicado para a halitose da manhã, produzem componentes de cheiro desagradável no final de seu metabolismo.

As aftas são contagiosas?
Não, pois não se trata de doença infecciosa. No entanto, há um traço familiar envolvido. Filhos de pais portadores de aftas apresentam chances bem maiores de também sofrerem com aftas.

O que predispõe à formação de saburra?
A formação de saburra é a leve redução do fluxo salivar, com a presença de uma saliva muito mais rica em mucina (“gosmenta”) e que facilita a aderência de microrganismos e de restos epiteliais e alimentares sobre o dorso da língua. É bom que se diga que existem vários graus de redução do fluxo da saliva, quando a redução é severa (de 0 a 0.3 ml/minuto, sob estímulo mecânico), já não encontramos saburra, mas sim, outros tipos de desconforto. A medida do fluxo salivar (sialometria) deve ser feita por um profissional habilitado para isso. Também é importante a avaliação das causas da redução do fluxo salivar para que se possa decidir sobre o tratamento. Uma causa bastante comum é o “stress” constante.

Marcelo Chain, Cd, MS, PhD
Av. Othon Gama Deca, 900 sala 503
Florianópolis – SC
Fone: (48) 3223-0046

Coluna Dr. Marcelo Chain – Clareamento perfeito

Hoje damos início a mais uma coluna aqui no site. Com foco na saúde, desta vez falaremos de saúde bucal e estética com o expert Marcelo Chain.
Ele me atende há mais de 15 anos e, no meu caso, mais um tratamento de prevenção, limpeza e estética do que outros probleminhas.
O Marcelo atua em Floripa, tem um currículo invejável e admirável, e corre o Brasil dando cursos e palestras.
Gostaria de dividir tudo com vocês e então o convidei para escrever aqui. Espero que gostem!
Para começar, o assunto que mais agrada e gera curiosidades: clareamento.

clareamento-a-laser

Desde seu surgimento, o Clareamento Dental sempre chamou a atenção. Estudos mostram que 80% da população brasileira quer ter dentes mais claros, uma vez que isso indica status, juventude, beleza e ascensão.
Os dentes são ou ficam escuros pela existência ou formação de moléculas grandes que possuem muitas ligações de carbono, chamadas cromóforos. Quanto maior a molécula (mais cromóforos), mais ela absorve luz e deixa o dente escuro, ou seja: é um fenômeno físico de reflexão de luz. Estas grandes moléculas podem ser naturais (do próprio paciente) ou formarem-se de diferentes maneiras, como por medicamentos, traumas que causam sangramento interno, corantes absorvidos através do esmalte, etc.  
A função do clareamento é quebrar estas grandes moléculas em moléculas menores, que por sua vez refletem mais luz e deixam os dentes mais claros. Este fenômeno de transformação molecular é inofensivo à estrutura dental e é obtido através do peróxido de hidrogênio, o qual deve ser neutro e eficiente, para clarear sem danificar a estrutura dental.
Não existe uma fórmula ou receita para todos os pacientes. Cada um tem individualidades significantes que contribuem para um clareamento de sucesso e sem sensibilidades, ou seja, o clareamento deve ser personalizado. Cabe ao profissional escolher qual é o melhor agente clareador e sua concentração, assim como a melhor técnica para cada indivíduo. Esta indicação e supervisão são cruciais para que o paciente realmente veja resultados e não tenha nenhum efeito colateral severo.
Tentativas de clareamento pelo próprio paciente com produtos adquiridos no comércio geralmente resultam em frustrações e danos à estrutura dental.

Uma alternativa que tem crescido muito é o clareamento de consultório, aquele feito em uma ou duas sessões pelo profissional. Este clareamento é feito com produtos mais concentrados e sempre sob supervisão. Pode ser executado somente com a aplicação do gel sobre os dentes ou com o uso de aparelhos de Laser\Leds, os quais acelerambastante o procedimento e eliminam\ minimizam a sensibilidade.
Enfim, houve uma evolução significante nas técnicas e produtos clareadores, consagrando e tornando este procedimento muito atrativo. No entanto é importante ressaltar a necessidade do correto diagnóstico para cada paciente, a fim de se obter um clareamento seguro, homogêneo e marcante. 

foto 2-63
Eu fazendo uma sessão de Clareamento a Laser

Fiz algumas perguntas ao Dr. Marcelo para melhor esclarecer as dúvidas:

Qual a diferença entre clareamento caseiro (bisnagas com moldeira) e o a laser?
O caseiro é bem menos concentrado e necessita de mais tempo para agir (2 a 3 semanas). O de consultório tem concentração até 11x maior e por isso clareia mais rapidamente. Por ser mais potente, não pode tocar nos tecidos moles (gengiva e mucosa) e necessita de proteção e supervisão. O laser junto com os Leds acelera o clareamento, diminuindo o tempo que o paciente precisa ficar na cadeira, além de eliminar ou diminuir muito a sensibilidade, pelo seu comprovado efeito anti-inflamatório.

teeth with whitening tray
Clareamento caseiro – com moldeiras

Com que frequência podem ser feitos? Visto que hoje em dia as pessoas estão cada vez se cuidando mais e mais exigentes.
Tudo depende da intensidade e duração do primeiro clareamento, por isso é importante a atuação do profissional. Em média, um clareamento completo pode ser feito de 2 em 2 anos, porém nada impede que retoques possam ser feitos a cada 6 meses, caso o paciente seja muito exigente.

Junto a isto, em quanto tempo o dente deve voltar a sua cor mais amarelada depois de clarear? É algo que dura pouco?
Tudo depende da dieta e higiene do paciente. Evitar corantes e escovar bem os dentes aumenta muito o tempo de vida do clareamento. As pesquisas mostram que 70% dos pacientes ainda estão satisfeitos com seus clareamentos após 3 anos, ou seja: de cada 10 pacientes, 3 querem clarear de novo em 3 anos. O dente geralmente nunca retorna ao seu amarelo inicial. 

Quais os alimentos que prejudicam o esmalte ou que escurecem o dente?
Todos os alimentos ácidos causam alguma desmineralização dental, principalmente se a frequência for alta. No que tange ao escurecimento, os maiores vilões são café, chá e vinho tinto. Obviamente o tabagismo contribui muito, principalmente devido ao alcatrão.

margin-01

Durante o clareamente, quais alimentos evitar?
Evitar justamente os alimentos citados acima, uma vez que durante o processo de clareamento os cromóforos estão se fragmentando. Ingerir alimentos e bebidas corantes atrasa o processo.

Existe alguma técnica para deixar os dentes mais brancos por mais tempo? Ex.: escovar 10 vezes ao dia, evitar X alimentos, usar adesivos clareadores, etc…
Escovar bem os dentes (sem exageros) certamente ajuda muito, assim como evitar corantes. Porém, isso não evita completamente pequenos retrocessos naturais do clareamento. Os adesivos clareadores também ajudam na manutenção do sorriso branco, porém o abuso deve ser evitado. Temos pacientes, que obscessivos por uma dentição muito branca, desgastaram todo o esmalte dental da parte aparente do dente através de produtos abrasivos e clareadores de vendalivre no comércio.

Marcelo Chain, Cd, MS, PhD
Av. Othon Gama Deca, 900 sala 503

Florianópolis – SC
Fone: (48) 3223-0046